domingo, 13 de novembro de 2016

OS PARTIDOS POLÍTICOS- ORIGEM E IMPORTÂNCIA:

Os partidos políticos são instituições que têm a sua origem no nascimento da democracia, entre os séculos XVII e XVIII. Nesta época, os partidos políticos eram apenas organizações de indivíduos que concordavam com alguns objetivos e a forma de alcançá-los. Mas foi apenas no século XIX (em contexto de 2ª Revolução Industrial) que ocorreu o fortalecimento e a sua institucionalização, num momento em que os operários sentiram necessidade de organização. Entretanto, o objetivo eleitoral e a capacidade de mobilização política apareceram somente no final do século.
Depois da Segunda Guerra Mundial os partidos políticos passaram a ser incluídos nas Constituições evidenciando a última fase de sua evolução.
A função dos partidos políticos pode ser resumida em três: expressão, canalização e comunicação. Como por exemplo, a identificação das demandas da população, o encaminhamento para os setores apropriados e a articulação entre diversos setores da sociedade para que estas necessidades sejam tratadas corretamente. Assim como, a competição eleitoral a partir da exploração dos problemas e a aproximação entre a população e a política.
No Brasil, as candidaturas avulsas são proibidas. Ou seja, o lançamento de candidatos depende totalmente dos partidos políticos. Mesmo assim, os partidos políticos são a instituição que menos recebe confiança da população brasileira. A exemplo disso podemos citar os movimentos sociais ocorridos em 2013 que se caracterizavam por serem apartidários, sem foco e aleatórios.A Constituição de 1988 deu autonomia administrativa e financeira aos partidos políticos no Brasil, por entender que são instituições importantes para o funcionamento da democracia.
Dessa forma, eles passaram a ter direito ao fundo partidário e a tempo de propaganda na rádio e na televisão. Mas por outro lado, eles têm a obrigação de prestar contas do dinheiro arrecadado e das despesas realizadas.
Hoje, existem 35 partidos registrados no Tribunal Superior Eleitoral, sendo que 28 deles obtiveram cargos na Câmara na eleição de 2014.



Chega-se o número de 13 partidos efetivos. Isto é, do total de registrados, apenas 13 realmente exercem influência efetiva em nosso Congresso.
De qualquer forma, o que pode trazer problemas não é a quantidade de partidos existentes, mas sim, a fragmentação partidária no Congresso.
Muitas siglas com representação pode significar que não existem impedimentos a formações de organizações políticas, mas o excesso cria dificuldades de governabilidade, pois o Poder Executivo terá que negociar com uma maior quantidade de atores.
Uma das principais causas para o aumento da fragmentação partidária no nosso país é a fraca ligação entre a população e os partidos políticos, que leva ao “voto no candidato”, desconsiderando a legenda a qual ele é ligado.
No processo histórico partidário, a própria democracia sofreu mudanças. Levando os partidos a mudarem de papel, também. Antes, eles eram a principal voz para que a população tivesse suas necessidades atendidas. Atualmente, com a internet e com as redes sociais essa função se tornou obsoleta, mas um povo para ganhar voz precisa de uma ideologia que o sustente, que de o suporte necessário para que realize os seus anseios. É essa a finalidade dos partidos políticos.
O problema é que a população desconhece essa finalidade. Por isso, é de suma importância reconhecer que nas democracias modernas os partidos políticos têm um papel muito importante, no sentido de permitir a um grupo de indivíduos compartilhar objetivos e um programa político em comum. Com efeito, “Sem o partido político, nem as ditaduras nem os poderes democráticos de sociedade alguma do nosso tempo lograriam subsistir, a não ser transitoriamente” (BONAVIDES, 2000, p. 504). Ou como afirma Maria D’Alva Kinzo:

É consenso que partidos políticos e eleições são componentes necessários de um regime democrático. Eleições livres e justas, nas quais os partidos competem por cargos públicos, são um critério crucial para identificar se um sistema político é uma democracia  (2004, p. 23).

FONTES: TRIBUNAL SUPERIOR ELEITORAL- ADAPTADO
PORTAL DA CONSCIÊNCIA POLÍTICA  - ADAPTADO

quinta-feira, 13 de outubro de 2016

INVERSÃO TÉRMICA E CHUVA ÁCIDA


INVERSÃO TÉRMICA E CHUVA ÁCIDA
De acordo com Dashefsky (2003, p.211) a poluição refere-se à mudança negativa na qualidade de alguma parte da nossa biosfera ou em aspectos da nossa vida. Essas mudanças, se deixadas ao acaso, podem causar aborrecimentos, doenças, morte ou até extinção de uma espécie [...].
Os seres humanos, como se sabe, são responsáveis pelo aumento das diversas formas de poluição, em especial a atmosférica; entretanto, ao mesmo tempo que podem ser responsabilizados, tornam-se também, assim como outros seres vivos, vítimas dos efeitos produzidos por ela.
O que ocorre com o ar em centros urbanos é um bom exemplo disso. A população residente  nesses locais sofre com os efeitos resultantes da inversão térmica, fenômeno natural, mas que pode causar danos à saúde em decorrência da concentração de poluentes no ar.
A inversão térmica pode ser descrita da seguinte forma: nos dias de inverno, o ar próximo ao solo torna-se ainda mais frio em virtude da grande umidade localizada mais próxima à superfície, fato comum após a passagem de uma frente fria.
 Essa camada mais fria e próxima ao solo recebe, logo pela manhã, grande quantidade de gases poluentes dos automóveis que circulam pela cidade e, como está mais fria do que a camada de ar logo acima, não consegue dissipar-se pelo espaço. A camada de ar mais quente, por sua vez, está abaixo de outra camada também mais fria, que se encontra normalmente em maiores altitudes. Com isso, o ar mais quente fica aprisionado entre duas camadas de ar mais frio.

Conclusão: com a emissão de gases poluentes, essa camada fria e mais baixa de ar retém a sujeira(gases poluentes) que é, então, respirada pelas pessoas. Nesses períodos de inverno, com a ocorrência da inversão térmica, as doenças respiratórias são mais frequentes, penalizando a população urbana em várias partes do mundo.
Obs. É importante lembrarmos duas questões básicas: a primeira é que o ar quente sempre sobe, por ser menos denso, e o ar frio sempre desce; a segunda é que a superfície, por refletir os raios solares, sempre aquece o ar mais próximo. Mas no caso da inversão térmica, ocorre o oposto, no inverno, pois o ar próximo ao solo torna-se ainda mais frio em virtude da grande umidade localizada mais próxima à superfície, fato comum após a passagem de uma frente fria.

CHUVA ÁCIDA:
A poluição do ar também provoca a chamada chuva ácida, fenômeno causado pela radiação química dos poluentes, principalmente ácido de nitrogênio de enxofre, após terem contato com as nuvens. O efeito desse encontro é a dissolução desses compostos, resultando na formação de partículas de ácido sulfúrico que caem com as chuvas. A chuva ácida pode provocar a morte de peixes, queimar determinadas plantações e até corroer monumentos, entre outros danos.
A acidez da chuva no Brasil, como acontece em todo o mundo, está relacionada com o desenvolvimento urbano: cidades com maior número de fábricas, de indústrias e de veículos têm certamente, maior concentração de ácidos. E, no entanto, os ácidos causadores da chuva ácida nem sempre caem onde são produzidos, pois o vento frequentemente carrega as nuvens para outras regiões, geralmente próximas.

















Fontes:
Mundo Educação- Adaptado. 
 A Reflexão e a Prática no Ensino- Volume 7- Geografia (Robson da Silva Pereira) 2012- editora Edgard Blücher Ltda.  (Adaptado).


quarta-feira, 12 de outubro de 2016

ÁFRICA- RESUMÃO/ ENEM!

ÁFRICA- RESUMÃO PARA O ENEM
Queridos estudantes, em se tratando de África é importante saber sobre o processo de colonização e descolonização, aspectos econômicos e físicos.
O continente africano é um dos maiores continentes do mundo, onde começou a civilização humana.

Em uma área de 30.215.303 km² estão distribuídos 54 países. É banhado pelo Mar Mediterrâneo ao norte, o Oceano Atlântico a oeste, o Oceano Atlântico ao sul e o Oceano Índico a leste.

As principais ilhas são: Madagascar, Seicheles, Ilhas de Cabo Verde, Ilhas Maurício, Canárias, Madeira, São Tomé e Príncipe e Comores.

Os principais rios são: Nilo (se destaca pelo volume de água), Congo, Orange, Níger, Zambeze e Limpopo

Os principais lagos são Chade, Vitória, Turkana e Tanganica.

O Ponto mais elevado é Monte Kilimanjaro an Tanzânia  com 5.895 metros

A COLONIZAÇÃO:
O processo de colonização na África ocorreu a partir do Tratado de Berlim, ou seja, os países europeus fizeram um acordo separando a África em colônias, pois necessitavam de matérias- primas e produtos tropicais. Esse processo de separação em colônias não respeitou as etnias, deixando tribos inimigas no mesmo território, e separando tribos. Nesse sentido, um dos principais motivos dos conflitos que ocorreram nesse continente está associado ao processo de colonização. Como por exemplo, o conflito de Ruanda, ocorrido em 1994 entre dois grupos étnicos: hutus (90% da população) e tutsis (9%).
[...] Durante o processo de colonização feito pela Bélgica, os tutsis, mesmo sendo minoria, foram os escolhidos pelo poder colonial para governar o país. A maioria hutu ficou excluída do processo socioeconômico. No entanto, em 1959, os hutus se revoltaram com a condição em que estavam e assumiram o poder em 1961. Esse fato proporcionou o início da perseguição aos tutsis, que se agravou em 1994 com a morte dos presidentes de Ruanda e Burundi. Conforme dados da ONU, o genocídio no país provocou a morte de aproximadamente 1 milhão de ruandeses, sendo que 90% das vítimas eram de origem tutsi. [...]
( Brasil Escola).
A DESCOLONIZAÇÃO:
O processo de descolonização está associado ao período pós- segunda Guerra Mundial, num contexto de Guerra Fria (1947- 1991). A Europa estava enfraquecida, pois foi palco da Guerra e encontrava-se com muitas dificuldades na sua reconstrução.
Alguns países com o apoio europeu conquistaram a sua independência, tornando-se socialistas, mas a maior parte permaneceu ligada à metrópole em consideração ao apoio dado pela Europa em ceder a independência.
Nesse contexto, na luta interna pelo poder surgiram vários exércitos rebeldes. Podemos citar os conflitos em Angola e Nigéria, decorrentes desse mesmo processo em que os governos corruptos recebiam apoio europeu.

AS DUAS ÁFRICAS (ÁFRICA BRANCA E ÁFRICA NEGRA):


ÁFRICA BRANCA (SAARIANA):
Localiza-se na parte setentrional (norte) do continente africano, região do deserto do Saara. Essa região foi ocupada pela população árabe oriunda do Oriente Médio (Marrocos, Argélia, Tunísia, Líbia e Egito).
ÁFRICA NEGRA (SUBSAARIANA):
Localiza-se ao sul (meridional) do deserto do Saara. Nessa região estão concentrados os principais problemas relativos ao Índice de Desenvolvimento Humano (IDH), como por exemplo, Chade, Sudão, Etiópia e Eritreia.
[...] Eritreia está na posição 177 no que diz respeito aos índices de desenvolvimento, ou seja, é um dos países mais atrasados do mundo, e está entre os primeiros em relação à falta de liberdade de expressão.” [...]
(Revista Forum)

Sua população tribal é afetada pela fome, pela Aids e os conflitos também estão relacionados à abundância de minérios.
Essa riqueza relacionada a minérios é exportada e concentrada nas mãos de poucos, propiciando uma grande desigualdade social, devido aos governos corruptos.
A questão tribal e a falta de educação são fatores agravantes na problemática do continente africano, pois influencia a expectativa de vida que está em torno de 45 anos a partir de problemas decorrentes de doenças, como por exemplo, a Aids. Mesmo a África do Sul que é um dos países mais ricos (faz parte do Brics- grupo dos países emergentes) do continente, apresenta um grande problema com a a Aids. Nesse sentido, a questão tribal é um agravante porque algumas tribos acreditam que a cura para a Aids está relacionada ao contato sexual com mulheres virgens, proliferando, assim, a doença.

ASPECTOS ECONÔMICOS:
A economia da África é baseada na extração de minérios (ferro, bauxita, manganês, ouro, diamantes, entre outros). Atualmente o petróleo cresce muito no continente em decorrência da ação de outros países que proporcionam a estrutura para a extração desse combustível fóssil. Nesse caso, podemos citar a China que está muito presente no continente africano.
Entre os países africanos que se destacam na produção de petróleo, podemos citar os países da APPA (Angola, África do Sul, Argélia, Benin, Camarões, Congo, RD do Congo, Côte d'Ivoire, Egito, Gabão, Guiné Equatorial, Líbia, Nigéria e Tchad) contribuem com 11 por cento da produção mundial de petróleo.
Alguns países africanos fazem parte da OPEP (Organização dos Países Exportadores de Petróleo), criada em 1960, que tem como objetivo a centralização da elaboração das políticas sobre produção e venda do petróleo dos países integrantes. Países integrantes que fazem parte do continente africano : Argélia, Angola, Líbia e Nigéria.
O Sistema de Plantation é um sistema de monocultura voltado para exportação, é praticado nos melhores solos, abrangendo mais de 50% do espaço agrícola africano. Foi trazido para a África pelos europeus e teve suas variações. Esse sistema também foi levado para o Brasil e para a Ásia, com o propósito, sempre, de complementar sua agricultura. No continente africano é denominado cultivo especulativo, e não visa nenhum interesse ou melhora do país em que é estabelecido. A ampliação desse sistema reduz a área de agricultura familiar, quase toda a produção é exportada e o que permanece no país são apenas os produtos de menor qualidade, favorecendo a fome e a pobreza do continente.

ASPECTOS FÍSICOS:
Relevo:


O relevo é antigo e desgastado, em sua maior parte é formado por planaltos.
Nas regiões litorâneas, encontramos as planícies costeiras. As principais cadeias montanhosas que se destacam no continente africano são: Cadeia do Atlas (na região noroeste) e Cadeia do Cabo (na região sul).
No entorno da Saara, temos uma região chamada SAHEL, é uma área de transição entre o deserto e a parte das Savanas.





Clima:




No continente africano existem quatro tipos de clima. Sendo que 80% da África se encontra na faixa intertropical.
Na região centro-ocidental prevalece o clima equatorial, marcado por altas temperaturas e elevado índice pluviométrico. Quase toda região norte é marcada pelos climas semiárido e desértico, caracterizado pela baixa umidade em função da escassez de chuvas. No extremo norte (faixa litorânea), encontramos o clima mediterrâneo. Já o clima tropical ocorre na área centro-sul do continente.
A Cadeia do Atlas afeta diretamente o clima, associado às correntes marinhas frias naquela região, impede a passagem da umidade vinda do oceano, por isso ocorreu a formação do deserto do Saara, com clima semiárido e de difícil habitação (área anecúmena). A população é nômade e fica em oásis, onde plantam frutas.
  
Vegetação:



A vegetação da África acompanha a influência climática. Desta forma, Onde ocorre o clima equatorial há presença de grandes florestas tropicais e equatoriais. As savanas aparecem mais ao sul e mais ao norte das florestas tropicais, onde ocorre a presença de umidade na estação do verão. Na região norte (áreas de clima desértico), quase não são encontradas vegetações. Nos extremos sul e norte do continente africano, aparece a vegetação mediterrânea, marcada pela presença de arbustos e gramíneas.
Pode mos destacar a Floresta do Congo na região Equatorial africana, possui características similares à floresta Amazônica do Brasil, já que se encontra na mesma zona climática.
Fontes: Info Escola e Brasil Escola (adaptado).